Quem é responsável pela morte de civis em Gaza? Estudioso israelense Ilan Pappe e historiador argumenta que a demonização da mídia, do Hamas, fornece a israel uma cobertura para continuar o cerco e ocupação dos territórios palestinianos – Reviewed by Momizat on . Estudioso israelense Ilan Pappe e historiador argumenta  que a demonização da mídia, do Hamas, fornece a israel uma  cobertura para continuar o cerco e ocupação Estudioso israelense Ilan Pappe e historiador argumenta  que a demonização da mídia, do Hamas, fornece a israel uma  cobertura para continuar o cerco e ocupação Rating: 0

Quem é responsável pela morte de civis em Gaza? Estudioso israelense Ilan Pappe e historiador argumenta que a demonização da mídia, do Hamas, fornece a israel uma cobertura para continuar o cerco e ocupação dos territórios palestinianos –

Estudioso israelense Ilan Pappe e historiador argumenta  que a demonização da mídia, do Hamas, fornece a israel uma  cobertura para continuar o cerco e ocupação dos territórios palestinianos –
:
 Bio Ilan Pappe is an Israeli historian and socialist activist. He is a professor with the College of Social Sciences and International Studies at the University of Exeter in the United Kingdom, director of the university’s European Centre for Palestine Studies, and co-director of the Exeter Centre for Ethno-Political Studies. He is the author of many books, including his most recent book, The Idea of Israel: A History of Power and Knowledge. Transcript Who Bears Responsibility for Civilian Deaths in Gaza?JESSICA DESVARIEUX, TENN PRODUCER: Welcome to The Real News Network. I’m Jessica Desvarieux in Baltimore. Early Tuesday, fuel tanks at Gaza’s only power plant came under attack. With already limited electricity, this will certainly exacerbate the already dire humanitarian situation. Israel carried out 76 strikes overnight, one of the biggest bombardments in the nearly month-long campaign. A coalition of water and sanitation organizations in the Palestinian territories recently released a statement saying, quote, “Since the start of the Israeli assault on Gaza on 8 July 2014, the water and wastewater infrastructure in Gaza has been heavily affected by Israeli airstrikes. (…) The targeting of civilian objects under situation of hostilities is prohibited according to International Humanitarian Law and is considered a war crime.” But with attacks ramping up instead of winding down, a ceasefire between both sides seems more and more elusive. Here to discuss the mainstream narrative around this crisis and how both sides can reach a ceasefire is our guest, Ilan Pappé. He is a professor of history and the director of European Centre for Palestine Studies at the University of Exeter. Ilan is also the author of several books, including his most recent book, The Idea of Israel: A History of Power and Knowledge. Thank you for joining us, Ilan. ILAN PAPPÉ, PROF. HISTORY, UNIV. OF EXETER: It’s a pleasure to be on the show, Jessica. DESVARIEUX: So, Ilan, coming from an American perspective and what we’re sort of hearing from the media and leaders is probably best exemplified in a statement made by former President Bill Clinton. He said, quote, “Hamas was perfectly well aware of what would happen if they started raining rockets into Israel. They fired a thousand of them. And they have a strategy designed to force Israel to kill their own civilians so that the rest of the world will condemn them.” So, first of all, is this an accurate portrayal of the situation? And what context is missing here? PAPPÉ: No, it is not, really. I mean, it’s a very narrow kind of context that doesn’t widen the picture. There are two kinds of contexts one should point to in order to understand the situation. One refers to a more immediate past and one to a more distant one. The more immediate past that is relevant to what goes on should take us back to just a month or two months ago, when Israel decided to use the pretext of an abduction and killing of three settlers in order to implement a plan that it already had in mind many years ago, and that is a plan to try and destroy the Hamas as a political force in the West Bank, and if possible also the military force in the Gaza Strip. The reason that Israel chose this particular timing for this initiative was the creation of a unity government and the fact that the Palestinian leadership in the West Bank decided to try a new strategy, with the help of the Hamas, to go to the international community, especially to the United Nations, and demand an engagement with the 46 year long Israeli occupation on the basis of a human rights and civil rights agenda, which Israel totally refuses. So the Hamas was keeping its part of the deal, back from 2012, for a long ceasefire, but Israel broke it, violated the ceasefire, by arresting all the political leadership and activists in the West Bank, including those Israel was pledged to release under the prisoner exchange deal known as the Shalit exchange deal. So that’s the immediate background, but there’s far more important, probably, and deeper historical background. Since 2006, since the people of Gaza elected democratically the Hamas to try and take them out of the ghetto that Israel created to them long before the Hamas took over Gaza, already 1994–because of the special location, geopolitical location of the Gaza Strip, Israel doesn’t really know what to do with it, so it ghettoized it already in 1994. The PA or the Fatah failed to salvage the people of Gaza from that situation. So the people of Gaza gave a chance to the Hamas. And the Israeli reaction was, even at first, a brutal military response to this election. And so the whole issue of how the Hamas responded, namely, through the launching of missiles, has to be seen in this context. It may be there is another way. I’m not sure there is, but definitely this is a response to a policy of strangulation, of siege, of starvation. It’s not coming out of blue as one would have thought that one can understand from the way Bill Clinton and others in the United States describe the context of this crisis. DESVARIEUX: I’m glad you mentione Hamas, because there’s an interview that’s actually picking up a lot of traction here in America. It’s an exclusive interview with Hamas political leader Khaled Mashal. CBS anchor Charlie Rose, he basically asked the leader of Hamas, what does Hamas want? Take a listen to what he had to say. ~~~ KHALED MASHAL, CHIEF OF THE POLITICAL BUREAU, HAMAS (VOICEOVER TRANSL.): We are not fanatics. We are not fundamentalists. We do not actually fight the Jews because they are Jews, per se. We do not fight any other races. We fight the occupiers. On the contrary, we actually respect the religious people. We ask for tolerance, for coexistence between the Buddhists, the Jews, the Christians, or the Muslims. As God created us as nations, we are different. And the Quran says that, in order for the nations to live together and coexist together without occupation and without any blockade. CHARLIE ROSE, CBS NEWS ANCHOR: I think I just heard you say–and we’ll close on this–you believe in the coexistence of peoples, and therefore you believe in the coexistence of Palestinians and Israelis in the Middle East. MASHAL: I can’t coexist with occupation. ROSE: Without occupation you can coexist. MASHAL: I am ready to coexist with which the Jews, with the Christians, and with the Arabs and non-Arabs, and with those who agree with my ideas and those who disagree with them. However, I do not coexist with the occupiers, with the settlers, and those who took siege of us. ROSE: It’s one thing to say you want to coexist with the Jews. It’s another thing, you want to coexist with the state of Israel. Do you want to coexist with the state of Israel? Do you want to recognize Israel as a Jewish state? MASHAL: No, I said I do not want to live with a state of occupiers. I do coexist with other [crosstalk] ROSE: I’m assuming they’re no longer occupiers. At that point do you want to coexist and recognize their right to exist as they would recognize your right to exist? MASHAL: When we have a Palestinian state, then the Palestinian state will decide on its policies. But you cannot actually ask me about the future. I answered you. But Palestinian people can have their say when they have their own state without occupation. In natural situations, they can decide policies vis-à-vis others. ROSE: Thank you. MASHAL: You’re welcome. ~~~ DESVARIEUX: Ilan, you just heard that, a lot of back-and-forth going on between the Hamas leader and Charlie Rose there. So I’m trying to wrap my head around this, and I think a lot of us here in the United States, we don’t get a sense of who Hamas is, what they represent. So I’ll just ask you about their origins, ‘cause I know you wrote recently about sort of how Israel empowered Hamas to come about. Can you just explain that a bit? PAPPÉ: Yeah, definitely. First of all, I think–but before we do that, it’s important to say that also the president of the Palestinian Authority, Abu Mazen (Mahmoud Abbas), does not–refuses to recognize Israel as a Jewish state. So Charlie Rose’s sort of allegation that Hamas is inflexible or unwilling to be a partner for reconciliation because it refuses to recognize Israel as a Jewish state is a consensual Palestinian position shared by the leaders of the Palestinian Authority. So I think that’s very important to understand. Secondly, one has to understand the Palestinian perspective on the Israeli colonization of Palestine that started in the late 19th century. I think three generations later, Palestinians understand that the Israelis are there to stay. I don’t think there is any serious Palestinian leader, including in the Hamas, that really believes that it can make the Israelis go, or that even want the Israelis to go. It’s a question of what kind of regime would reign between the River Jordan and the Mediterranean. Now, the secular Palestinian forces led by the Fatah in the ’60s and the ’70s were moving towards the idea of a two-state solution with the hope that one day they will be able to live in one democratic state, to which the Palestinian refugees who were expelled in 1948 could return. Israel rejected any of these ideas, either a two-state solution or a one-state solution, and the occupation continued, and the Judaization, colonization of the West Bank expanded, in fact to such a degree that it’s ridiculous today to talk about a two-state solution. So what you are left with is an equal number of Jews and Palestinians living between the River Jordan and the Mediterranean under one regime that discriminates in various ways towards anyone who is a Palestinian. And there was a strategy, a secular strategy, if you want, a national strategy, to try and change it. Now, people were a bit fed up with the failure of that strategy and gave a chance to a more religious version of that strategy. Now, one of the reasons that version became more popular is because Israel believed that this should be enhanced and supported as a counterbalance to the secular leadership of the Palestinians, namely the Fatah. So they didn’t invent the Hamas, but they definitely allowed it to emerge, to prosper, to become powerful, hoping that this would defeat the secular leadership of the Palestinians. This is not limited to Israeli policies. As you probably know, the United States did the same with the Taliban and the jihadists in Afghanistan when they wanted to defeat the Russian influence (or, in those days, the Soviet influence) there, and they did a similar thing in Egypt and in Iraq. Israel follows them, the United States, in attempting to determine who would rule, who would be the leader, who would be the representative of the people of the Middle East under the discourse of democracy. And that’s why we have this kind of crisis. So Hamas today is both democratically representing what some Palestinians feel, but it’s also representing an alternative to the policies that so far have not ended the occupation and the colonization. I still think the only way forward–and I think many people in the Hamas now seem to agree–the only way forward for the Palestinians is in a unity, a united leadership. And that kind of unity is what brought this present wave of violence from Israel’s side. A united Palestinian leadership that bases the Palestinian demands on human rights and civil rights is something Israel would not be able to defeat. It’s far more dangerous than any rocket the Qassam can launch into Israel. DESVARIEUX: Okay. So, basically, if I’m understanding you correctly, Israel essentially empowered their current enemy, as they deem it, Hamas. So how do you then resolve this issue? Can you just talk specifically about lifting the blockade? Is this even an option right now on the table? PAPPÉ: Well, if the blockade will not be relieved, if the ghetto of Gaza would continue to be sealed and Israel would continue to determine even the level of calories the people are entitled to have there in order not to starve but not to live too well, if this kind of abuse, collective abuse of the Palestinians who are incarcerated in the Gaza Strip would continue, then the Hamas will use any desperate means at its disposal to continue the struggle. And that could even lead to a third intifada; namely, the people in the West Bank, regardless of whether they are Hamas or not, will join in, and maybe even the Hezbollah [in the north (?)]. So a continued Israeli policy of siege has the potential for a much wider and bloodier conflict. A removal of the siege, an ability of the Palestinians in the Gaza Strip, including the political factions of the Hamas, to be reunited with their brothers and sisters in the West Bank, to be reunited with the world, and the end of the kind of boycott that America and the E.U. imposed on the Hamas will include them in a political process that can change the reality in Israel and Palestine for the better. But for that to happen, you have to change the basic attitude of Israel. Israel today is the political system that believes that it has the military power to dictate to the Palestinians how to live and where to live. Once this kind of an Israeli conviction would be weakened, hopefully by international pressure, then there is a chance for a very painful but a more hopeful dialog about a different legal regime, a different political regime all over what used to be historical Palestine. DESVARIEUX: Alright. Ilan Pappé, thank you so much for joining us. PAPPÉ: Thank you. DESVARIEUX: And thank you for joining us on The Real News Network.
bio
Ilan Pappe é um historiador israelense e ativista socialista. Ele é um professor daFaculdade de Ciências Sociais e Estudos Internacionais da Universidade de Exeter, no Reino Unido, diretor do Centro Europeu da Universidade de Estudos Palestina, e co-diretor do Centro de Estudos Exeter étnico-políticas. Ele é o autor de muitos livros, incluindo o seu mais recente livro, The Idea of ​​Israel: Uma história de poder e conhecimento.

cópia
Quem é responsável pela morte de civis em Gaza JESSICA Desvarieux, TRNNPRODUTOR: Bem-vindo ao The Real News Network. Eu sou Jessica Desvarieux em Baltimore.
No início terça-feira, os tanques de combustível na única usina elétrica de Gaza foi atacada. Com a eletricidade já limitado, isso certamente vai agravar a situaçãohumanitária já terrível. Israel realizou 76 ataques durante a noite, um dos maioresbombardeios na campanha durou um mês quase. Uma coalizão de organizações de água e saneamento nos territórios palestinos lançou recentemente uma declaração dizendo, citações,
“Desde o início do ataque israelense em Gaza no dia 8 de Julho de 2014, a infra-estrutura de água e esgoto em Gaza tem sido fortemente afetada por ataques aéreos israelenses. (…) A segmentação de objetos civis em situação de hostilidades é proibidade acordo com a Internacional Humanitário Lei e é considerado um crime de guerra. “

Mas, com ataques de ramp up em vez de encerramento, um cessar-fogo entre os dois lados parece cada vez mais evasivo.
Aqui para discutir a narrativa dominante em torno desta crise e como ambas as partespodem chegar a um cessar-fogo é o nosso convidado, Ilan Pappé. Ele é um professor de história e diretor do Centro Europeu de Estudos Palestina da Universidade de Exeter.
Ilan também é o autor de vários livros, incluindo o seu mais recente livro, The Idea of ​​Israel: Uma história de poder e conhecimento.
Obrigado por se juntar a nós, Ilan.
ILAN Pappe, PROF. HISTÓRIA, UNIV. De Exeter: É um prazer estar no show, Jessica.
Desvarieux: Então, Ilan, vindo de uma perspectiva americana eo que estamos espécie de ouvir da mídia e líderes é, provavelmente, melhor exemplificada em uma declaração feita pelo ex-presidente Bill Clinton. Ele disse, citações,
“O Hamas estava perfeitamente consciente do que aconteceria se eles começou a chover foguetes contra Israel. Eles dispararam mil deles. E eles têm uma estratégia paraforçar Israel a matar seus próprios civis para que o resto do mundo vai condená-los. “

Então, em primeiro lugar, isso é um retrato fiel da situação? E o contexto está faltandoaqui?
Pappe: Não, não é, realmente. Quero dizer, é uma espécie muito estreita de contexto que não ampliar a imagem.
Existem dois tipos de contextos deve-se apontar para a fim de compreender a situação.Um refere-se a um passado mais imediato e outro para um mais distante.
O passado mais imediato que é relevante para o que se passa deve levar-nos de volta aapenas um mês ou dois meses, quando Israel decidiu usar o pretexto de um rapto eassassinato de três colonos, a fim de implementar um plano que ele já tinha em mente há muitos anos atrás, e isso é um plano para tentar destruir o Hamas como uma força política na Cisjordânia, e se possível também a força militar na Faixa de Gaza.
A razão por que Israel escolheu este momento especial para esta iniciativa foi a criação de um governo de unidade eo fato de que a liderança palestina na Cisjordânia decidiu tentar uma nova estratégia, com a ajuda do Hamas, para ir para a comunidade internacional, especialmente para as Nações Unidas, e exigem um compromisso com a ocupação israelense longo 46 anos, com base em uma agenda de direitos humanos edos direitos civis, o que Israel recusa-se totalmente.
Assim, o Hamas foi mantendo a sua parte do acordo, de volta a partir de 2012, por um longo cessar-fogo, mas Israel partiu-o, violou o cessar-fogo, com a prisão de todos os líderes e ativistas políticos na Cisjordânia, inclusive Israel se comprometeu a libertar sobo acordo de troca de prisioneiros conhecido como o acordo de troca de Shalit.
Então esse é o fundo imediato, mas há muito mais importante, provavelmente, e mais profundo fundo histórico.
Desde 2006, uma vez que o povo de Gaza eleito democraticamente o Hamas para tentarlevá-los para fora do gueto que Israel criou para eles muito antes de o Hamas tomou Gaza, já 1994 – devido à localização especial, localização geopolítica da Faixa de Gaza , Israel realmente não sabe o que fazer com ele, por isso guetos já em 1994. a PA ou oFatah não conseguiu salvar o povo de Gaza a partir dessa situação. Assim o povo deGaza deu uma chance ao Hamas. E a reação israelense foi, mesmo no início, uma resposta militar brutal para esta eleição. E assim toda a questão de como o Hamasrespondeu, ou seja, através do lançamento de mísseis, tem que ser visto neste contexto.Pode ser não há outra maneira. Eu não tenho certeza que existe, mas definitivamenteesta é uma resposta a uma política de estrangulamento, de sítio, de fome. Não está saindo do azul como se poderia pensar que se pode compreender a partir da maneiraBill Clinton e outros nos Estados Unidos descrevem o contexto da crise.
Desvarieux: Estou feliz que você mentione Hamas, porque há uma entrevista que está realmente pegando um monte de tração aqui na América. É uma entrevista exclusiva com o líder político do Hamas, Khaled Mashal. CBS âncora Charlie Rose, ele basicamente perguntou o líder do Hamas, o que o Hamas quer? Tome um ouvir o que eletinha a dizer.
~ ~ ~
KHALED Mashal, chefe do Bureau Político, o Hamas (VoiceOver TRANSL.): Nós não somos fanáticos. Nós não somos fundamentalistas. Nós realmente não lutar contra osjudeus porque eles são judeus, por si só. Nós não lutamos quaisquer outras raças.Lutamos os ocupantes.
Pelo contrário, nós realmente respeitar as pessoas religiosas. Pedimos para a tolerância, para a convivência entre os budistas, os judeus, os cristãos, ou os muçulmanos. Como Deus nos criou como nações, somos diferentes. E diz que o Alcorão que, para que as nações a viver juntos e conviver juntos, sem ocupação e sem qualquerbloqueio.
CHARLIE ROSE, CBS News Anchor: Eu acho que eu acabei de ouvir você dizer – e nós vamos fechar sobre isso – você acredita na convivência dos povos, e, portanto, você acredita na coexistência de palestinos e israelenses no Oriente Médio.
Mashal: Eu não pode coexistir com a ocupação.
ROSE: Sem ocupação pode coexistir.
Mashal: Estou pronto para coexistir com os quais os judeus, com os cristãos, e com os árabes e não-árabes, e com aqueles que concordam com minhas idéias e aqueles que não concordam com eles. No entanto, eu não coexistir com os ocupantes, com os colonos, e aqueles que tomaram cerco de nós.
ROSE: É uma coisa para dizer que você quer conviver com os judeus. É outra coisa, você quer conviver com o Estado de Israel. Você quer que a coexistir com o Estado de Israel? Você quer reconhecer Israel como um Estado judeu?
Mashal: Não, eu disse que eu não quero viver com um estado de ocupantes. Eu coexistir com outra [crosstalk]
ROSE: Eu estou supondo que eles não são mais ocupantes. Nesse ponto você querconviver e reconhecer seu direito de existir como eles iriam reconhecer seu direito de existir?
Mashal: Quando temos um Estado palestino, então o Estado palestino vai decidir sobresuas políticas. Mas você não pode realmente me perguntam sobre o futuro. Eu respondi-lhe. Mas povo palestino pode ter uma palavra a dizer quando eles têm seu próprio estado sem ocupação. Em situações naturais, eles podem decidir políticas vis-à-visoutros.
ROSE: Obrigado.
Mashal: Você é bem-vindo.
~ ~ ~
Desvarieux: Ilan, você acabou de ouvir isso, um monte de vai-e-vem acontecendo entre olíder do Hamas, e Charlie Rose lá. Então, eu estou tentando envolver minha cabeça em torno disso, e eu acho que muitos de nós aqui nos Estados Unidos, nós não temos uma sensação de que o Hamas é, o que eles representam. Então eu vou lhe perguntar sobresuas origens, porque eu sei que você escreveu recentemente sobre tipo de Israel como o Hamas para poder acontecer. Você pode apenas explicar que um pouco?
Pappe: Sim, definitivamente. Primeiro de tudo, eu acho -, mas antes de fazer isso, éimportante dizer que também o presidente da Autoridade Palestina, Abu Mazen(Mahmoud Abbas), não faz – se recusa a reconhecer Israel como um Estado judeu.Assim, tipo de alegação de Charlie Rose que o Hamas é inflexível ou não querem ser um parceiro para a reconciliação porque ele se recusa a reconhecer Israel como um Estado judeu é uma posição palestina consensual partilhada pelos líderes da Autoridade Palestina. Então eu acho que isso é muito importante para entender.
Em segundo lugar, é preciso entender a perspectiva palestina sobre a colonizaçãoisraelense da Palestina, que começou no final do século 19. Eu acho que três gerações depois, os palestinos entendem que os israelenses estão aí para ficar. Eu não acho que haja qualquer sério líder palestino, incluindo o Hamas, que realmente acredita que podefazer os israelenses ir, ou que até mesmo os israelenses querem ir. É uma questão de que tipo de regime reinaria entre o Rio Jordão eo Mediterrâneo.
Agora, as forças palestinas seculares liderada pelo Fatah nos anos 60 e os anos 70foram se movendo em direção a idéia de uma solução de dois Estados, com a esperança de que um dia eles vão ser capazes de viver em um Estado democrático, ao qual a Palestina refugiados que foram expulsos em 1948 poderia voltar. Israel rejeitou qualquer dessas idéias, ou uma solução de dois Estados ou a solução de um Estado, eaocupação continuada, ea judaização, a colonização da Cisjordânia expandido, na verdade, a tal ponto que é ridículo hoje para falar sobre um solução de dois Estados.Então, o que você é deixado com um número igual de judeus e palestinos que vivementre o rio Jordão eo Mediterrâneo sob o mesmo regime que discrimina em várioscaminhos para qualquer um que é um palestino. E havia uma estratégia, uma estratégiasecular, se você quiser, uma estratégia nacional, para tentar mudá-lo.
Agora, as pessoas estavam um pouco fartos com o fracasso dessa estratégia e deu a chance para uma versão mais religiosa do que a estratégia. Agora, uma das razões que a versão tornou-se mais popular é porque Israel acredita que esta deve ser reforçada e apoiada como um contrapeso para a liderança secular dos palestinos, ou seja, o Fatah.Então, eles não inventaram o Hamas, mas eles definitivamente permitiu a surgir, paraprosperar, para se tornar poderoso, na esperança de que isso iria contra a liderançasecular dos palestinos. Isto não se limita às políticas israelenses. Como você provavelmente sabe, os Estados Unidos fizeram o mesmo com os talibãs e os jihadistasno Afeganistão quando eles queriam derrotar a influência russa (ou, naqueles dias, ainfluência soviética) lá, e eles fizeram uma coisa semelhante no Egito e na Iraque. Israelsegue-os, os Estados Unidos, na tentativa de determinar quem iria governar, quem seria o líder, que seria o representante do povo do Oriente Médio sob o discurso da democracia. E é por isso que temos esse tipo de crise.
Então Hamas hoje é tanto que representa democraticamente o que alguns palestinossentem, mas também é o que representa uma alternativa às políticas que até agora não terminaram a ocupação ea colonização.
Eu ainda acho que a única forma de avançar – e eu acho que muitas pessoas no Hamasagora parecem concordar – o único caminho a seguir para os palestinos está em umaunidade, uma liderança unida. E esse tipo de unidade é o que trouxe este presente onda de violência do lado de Israel. A liderança palestina unida que baseia as demandaspalestinas sobre direitos humanos e direitos civis é algo que Israel não seria capaz dederrotar. É muito mais perigoso do que qualquer foguete Qassam o pode lançar emIsrael.
Desvarieux: Okay. Então, basicamente, se eu estou entendendo corretamente, Israelessencialmente capacitados seu inimigo atual, conforme julguem, Hamas. Assim como você, em seguida, resolver esse problema? Você pode apenas falar especificamente sobre o levantamento do bloqueio? É isso mesmo uma opção agora em cima da mesa?
Pappe: Bem, se o bloqueio não será aliviado, se o gueto de Gaza vai continuar a ser selado e Israel vai continuar a determinar até mesmo o nível de calorias as pessoas têm o direito de ter lá a fim de não morrer de fome, mas não para viver muito bem, se esse tipo de abuso, o abuso coletivo dos palestinos que estão encarcerados na Faixa de Gaza vai continuar, então o Hamas vai usar todos os meios desesperados à sua disposição para continuar a luta. E isso pode até levar a uma terceira intifada; ou seja, o povo na Cisjordânia, não importando se eles são Hamas ou não, vai juntar-se, e talvez até mesmo o Hezbollah [no norte (?)]. Assim, uma política israelense continuou de sítiotem o potencial para um conflito muito mais amplo e mais sangrenta.
A remoção do cerco, a capacidade de os palestinos na Faixa de Gaza, incluindo as facções políticas do Hamas, para se reunir com seus irmãos e irmãs, na Cisjordânia,para se reunir com o mundo, e no final do tipo de boicote que a América ea União Europeia imposta ao Hamas irá incluí-los em um processo político que pode mudar a realidade em Israel e na Palestina para melhor. Mas para que isso aconteça, você tem que mudar a atitude básica de Israel. Israel hoje é o sistema político que acredita que ela tem o poder militar para ditar aos palestinos como viver e onde viver. Uma vez que estetipo de convicção israelense seria enfraquecida, espero que por pressão internacional,então há uma chance de um muito doloroso, mas um diálogo mais esperançoso sobreum regime jurídico diferente, um regime político diferente de todo o que costumava serPalestina histórica.
Desvarieux: Certo. Ilan Pappé, muito obrigado por se juntar a nós.
Pappe: Obrigado.
Desvarieux: E obrigado por se juntar a nós em The Real News Network.

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo