Poderosa carta de demissão da ONU, Rima Khalaf, sobre a remoção do relatório do ONU sobre o apartheid Reviewed by Momizat on . Poderosa carta de demissão da ONU, Rima Khalaf, sobre a remoção do relatório do ONU sobre o apartheid  Contact@ifamericansknew.org  20 de março de 2017  Censura Poderosa carta de demissão da ONU, Rima Khalaf, sobre a remoção do relatório do ONU sobre o apartheid  Contact@ifamericansknew.org  20 de março de 2017  Censura Rating: 0

Poderosa carta de demissão da ONU, Rima Khalaf, sobre a remoção do relatório do ONU sobre o apartheid

Poderosa carta de demissão da ONU, Rima Khalaf, sobre a remoção do relatório do ONU sobre o apartheid

      ,  ,  , 

Poderosa carta de demissão da ONU, Rima Khalaf, sobre a remoção do relatório do ONU sobre o apartheid

De Jadaliyya

A carta de demissão da Secretária Executiva da ESWA, Rima Khalaf, em resposta ao pedido formal do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, é que a CESAO retire a publicação de um relatório acadêmico que considera Israel culpado de apartheid.

Caro Sr. Secretário-Geral,

Eu considerei cuidadosamente sua mensagem transmitida através do Chef de Gabinete e asseguro que em nenhum momento eu questionei seu direito de ordenar a retirada do relatório de nosso site ou o fato de que todos nós que trabalham no Secretariado estão sujeitos à autoridade Do seu Secretário-Geral. Também não tenho quaisquer dúvidas quanto ao seu empenho em relação aos direitos humanos em geral ou à sua posição firme em relação aos direitos do povo palestiniano. Eu também entendo as preocupações que você tem, particularmente nestes tempos difíceis que deixam pouca escolha.

Eu não sou alheio aos ataques e ameaças viciosos que a ONU e você pessoalmente sofreram de Estados-Membros poderosos como resultado da publicação do relatório da ESCWA “Práticas israelenses para com o povo palestino e a questão do apartheid”. Não me surpreende que esses Estados-Membros, que agora têm governos que pouco se importam com as normas e os valores internacionais dos direitos humanos, recorram à intimidação quando têm dificuldade em defender as suas políticas e práticas ilegais. É normal que os criminosos pressionem e atacem aqueles que defendem a causa de suas vítimas. Não posso me submeter a essa pressão.

Não por ser um funcionário internacional, mas simplesmente por ser um ser humano decente, creio, como você, nos valores e princípios universais que sempre foram a força motriz do bem na história da humanidade e sobre os quais este Organização das Nações Unidas. Como você, eu acredito que a discriminação contra qualquer pessoa devido à sua religião, cor da pele, sexo ou origem étnica é inaceitável e que tal discriminação não pode ser tornada aceitável pelos cálculos de conveniência política ou política de poder. Eu também acredito que as pessoas não devem ter apenas a liberdade de dizer verdade ao poder, mas têm o dever de fazê-lo.

No espaço de dois meses, você me instruiu a retirar dois relatórios produzidos pela ESCWA, não por culpa dos relatórios e provavelmente não porque você discordasse de seu conteúdo, mas devido à pressão política dos Estados membros que violam gravemente a Direitos da população da região.

Você viu de primeira mão que as pessoas desta região estão passando por um período de sofrimento incomparável em sua história moderna; E que a inundação esmagadora de catástrofes hoje é o resultado de um fluxo de injustiças que foram ignoradas, rebocadas ou abertamente endossadas por poderosos governos dentro e fora da região. Esses mesmos governos são os que te pressionam para silenciar a voz da verdade e o chamado à justiça representado nesses relatórios.

Tendo em conta o que precede, não posso deixar de constatar as conclusões do relatório da CESPAO de que Israel estabeleceu um regime de apartheid que procura a dominação de um grupo racial sobre outro. A evidência fornecida por este relatório elaborado por especialistas de renome é esmagadora. Basta dizer que nenhum dos que atacaram o relatório teve uma palavra a dizer sobre o seu conteúdo. Sinto que é meu dever esclarecer o facto juridicamente inadmissível e moralmente indefensável de que um regime de apartheid ainda existe no século XXI, em vez de suprimir as provas. Ao dizer isso, não reivindico superioridade moral nem propriedade de uma visão mais presciente. Minha posição pode ser informada por toda uma vida de experimentar as terríveis conseqüências de bloquear canais pacíficos para lidar com as queixas das pessoas em nossa região.

Depois de dar a devida consideração, eu percebi que eu também tenho pouca escolha. Não posso retirar mais um trabalho bem documentado e bem documentado da ONU sobre violações graves dos direitos humanos, mas sei que as instruções claras do Secretário-Geral terão de ser implementadas prontamente. Um dilema que só pode ser resolvido pelo meu pisar para baixo para permitir que alguém para entregar o que eu sou incapaz de entregar em boa consciência. Sei que só tenho mais duas semanas para servir; Minha renúncia não se destina, portanto, a uma pressão política. É simplesmente porque sinto que é meu dever para com as pessoas a quem servimos, para com a ONU e para mim, não retirar um testemunho honesto sobre um crime em curso que está na raiz de tanto sofrimento humano. Por conseguinte, submeto-lhe a minha demissão das Nações Unidas.

Respeitosamente

Rima Khalaf

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo