Para o Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan Kofi Press Release, The Grassroots palestino Anti-Apartheid Wall Campaign, 13 de março de 2005 Reviewed by Momizat on . Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan Kofi Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan Kofi O Comité Nacional resistir A hits: 77 Para o Secretário-Ge Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan Kofi Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan Kofi O Comité Nacional resistir A hits: 77 Para o Secretário-Ge Rating: 0

Para o Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan Kofi Press Release, The Grassroots palestino Anti-Apartheid Wall Campaign, 13 de março de 2005

Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan Kofi

Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan Kofi O Comité Nacional resistir A hits: 77

Para o Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan Kofi Press Release, The Grassroots palestino Anti-Apartheid Wall Campaign, 13 de março de 2005

O Comitê Nacional para Resist The Muro do Apartheid

Para o Secretário-Geral das Nações Unidas Kofi Annan Kofi
C.C. UNSCO, OCHA,

Dear Sir,

No mês passado, os escritórios da ONU na Palestina emitiu o seu relatório sobre os efeitos do muro, à luz da mais recente publicação da “ocupação israelense do Governo modificações”. O último relatório da ONU revelou que várias posições de compromisso, e mesmo em contradição directa, o direito internacional e os princípios de autodeterminação e dos direitos humanos como previsto na sua Carta.
1 – Nós citar o parágrafo inicial do relatório que a ONU parece adotar a posição oficial de Israel sobre as motivações para a parede:”Em junho de 2002, o Governo de Israel iniciou a construção da barreira após vários atentados suicidas e ataques por militantes palestinos contra cidadãos israelitas. Alega que a barreira é uma estrutura temporária para separar fisicamente o formulário West Bank Israel para prevenir tais ataques a cidadãos israelenses. “
2 – O relatório refere-se à parede como uma “barreira” reforçar a percepção de que a ONU está a aprovação da terminologia israelense, e além disso, comprando no mito de que este é um ato de separação entre a Cisjordânia e Israel. O mais alarmante esta posição contradiz as conclusões importantes feitas pelo Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) em torno da natureza do Muro. Sua insistência de que era uma parede e não uma barreira saiu do debate e da investigação meticulosa, esclareceu em seus resultados detalhados.
3 – Ainda mais preocupante é a ausência completa em todo o relatório da ilegalidade do Muro de como determinado pela decisão da CIJ. A ONU parece estar lidando com o Wall estritamente em termos de uma questão humanitária. Não faz qualquer menção de Israel como as forças de ocupação e negligencia as questões políticas fundamentais relativas ao Wall em relação aos direitos humanos, da liberdade, da autodeterminação, resistindo a ocupação e assim por diante.
4 – O relatório não menciona as pessoas que vão ser isolados e afectadas pelo Muro em Jerusalém. Mantemos sérias reservas sobre tal movimento e vê-lo como parte de um projeto político para abrir o status de Jerusalém, a disputa em sintonia com a vontade de Israel de ter Jerusalém como sua capital.
5 – Além disso, a ONU igualado o estatuto de “assentados” com os palestinianos, na sua avaliação de pessoas que serão afetadas pelo Muro. Essa comparação entre palestinos e colonos é um desenvolvimento profundamente perturbador no pensamento das Nações Unidas. Embora o relatório deveria ter realçado a existência ilegal de colonos na Cisjordânia, ele escolheu ser cúmplice em aceitar a sua existência de facto, na Cisjordânia por sua consideração de como elas serão “afectadas”.
6 – O relatório não menciona de forma alguma, os planos de Israel para isolar o Vale do Jordão através da parede leste. Enquanto modificações israelenses não discutiram o Vale do Jordão (por razões óbvias) o significado do muro dentro da estratégia de Israel para esta região deveria merecer uma grande preocupação no âmbito da ONU.
7 – Nem o relatório apresenta nenhuma compreensão da maneira pela qual a expansão perpétua de Israel na Cisjordânia é possível graças ao facto de impasse. Os sinais poderosos de ocupação israelense, como colono-estradas só, industriais e zonas de segurança, precisa ser visto dentro do contexto de um sistema de apartheid imposto de cima sobre o povo palestino. The Wall faz parte intrínseca do projeto colonial israelense “, elaborada no chamado” plano de retirada “.
Que esses chamados “modificações” formam o maior impulso do relatório da ONU, ignora as implicações mais amplas do Muro e as suas ramificações fundamentais para a vida dos palestinos e da existência.
A recusa do Secretário-Geral das Nações Unidas para visitar o Muro é mais uma prova de que a ONU não está a apoiar o direito legítimo dos palestinos à autodeterminação. Ao transformar as decisões importantes feitas no Tribunal Internacional de Justiça em questões humanitárias, a ONU se afasta de suas responsabilidades dentro do seu mandato, sobre os direitos humanos e da liberdade.
Estamos profundamente preocupados que a posição da ONU parece ter se confunde com os interesses dos ocupantes e os seus apoiantes nos Estados Unidos.
Exigimos que a ONU respeitar o direito internacional e trabalhar para a destruição do Muro eo fim da ocupação ilegal, uma vez que foi mandatado para fazer. Este é um momento crucial para a ONU para mostrar se ele vai começar a aplicar as inúmeras resoluções aprovadas em apoio à luta palestina, ou se irá fornecer gestos humildes e sem esperança na forma de “ajuda humanitária” assistência.

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo