Nações Unidas: Apresentando o problema palestino Reviewed by Momizat on .   A questão da Palestina foi trazido perante as Nações Unidas pouco após o fim da Segunda Guerra Mundial. As origens do problema da Palestina como uma ques   A questão da Palestina foi trazido perante as Nações Unidas pouco após o fim da Segunda Guerra Mundial. As origens do problema da Palestina como uma ques Rating: 0

Nações Unidas: Apresentando o problema palestino

 

  • A questão da Palestina foi trazido perante as Nações Unidas pouco após o fim da Segunda Guerra Mundial.
    As origens do problema da Palestina como uma questão internacional, no entanto, encontram-se em eventos ocorridos no final da Primeira Guerra Mundial. Estes acontecimentos levaram a uma decisão da Liga das Nações para colocar a Palestina sob o governo da Grã-Bretanha como a potência mandatária no âmbito do Sistema mandatos aprovados pela Liga. Em princípio, o mandato era para ser a natureza de uma fase transitória até que a Palestina alcançou o status de uma nação totalmente independente, um status provisoriamente reconhecidos no Pacto da Liga, mas na verdade a evolução histórica do mandato não resultou no surgimento de Palestina como uma nação independente.
    A decisão sobre o mandato não levar em conta a vontade do povo da Palestina, apesar das exigências do Pacto de que “os desejos dessas comunidades deve ser uma consideração principal na escolha do obrigatório”. Este assumiu especial importância porque, quase cinco anos antes de receber o mandato da Liga das Nações, o Governo britânico tinha assumido compromissos com a Organização Sionista relativas ao estabelecimento de um lar nacional judaico na Palestina, para que os líderes sionistas tivesse pressionado uma alegação de “ligação histórica “, já que seus ancestrais tinham vivido na Palestina, há dois mil anos antes antes de se dispersar na” diáspora “[Clique aqui para ler a nossa resposta a este argumento].
    Durante o período do mandato, a Organização Sionista trabalhado para garantir o estabelecimento de um lar nacional judaico na Palestina. Os povos indígenas da Palestina, cujos antepassados habitaram a terra por quase dois milênios anteriores senti essa concepção, a ser uma violação dos seus direitos naturais e inalienáveis. Eles também visto como uma violação das garantias de independência dada pelo Potências Aliadas aos líderes árabes em troca de seu apoio durante a guerra. O resultado foi a montagem de resistência ao mandato por árabes palestinos, seguido de recurso à violência por parte da comunidade judaica, como a Segunda Guerra Mundial se aproximava do fim.
    Após um quarto de século do mandato, a Grã-Bretanha apresentou o que havia se tornado “o problema da Palestina”, a Organização das Nações Unidas sobre o fundamento de que a potência mandatária foi confrontado com as obrigações conflitantes que tinha provado inconciliáveis. Neste ponto, quando as Nações Unidas em si foi quase dois anos, a violência devastou Palestina. Depois de investigar várias alternativas das Nações Unidas propôs a partilha da Palestina em dois Estados independentes, um palestino e outro judeu, com Jerusalém internacionalizada. O plano de partição não trazer a paz para a Palestina, ea disseminação da violência prevalecente em uma guerra no Oriente Médio interrompido apenas pela acção das Nações Unidas. Um dos dois Estados, prevista no plano de partição proclamou a sua independência, como Israel e, em uma série de guerras sucessivas, o seu controlo territorial expandido para ocupar toda a Palestina. O Estado árabe palestino previsto no plano de partição nunca apareceu no mapa do mundo e, durante os 30 anos, o povo palestino lutaram por seus direitos perdidos.
    O problema da Palestina rapidamente ampliado para a disputa do Médio Oriente entre os países árabes e Israel. A partir de 1948 houve guerras e destruição, forçando milhões de palestinos para o exílio, e envolver as Nações Unidas, em uma contínua busca de uma solução para um problema que veio a possuir o potencial de uma das principais fontes de perigo para a paz no mundo.
    No decorrer desta pesquisa, a grande maioria dos Estados-Membros das Nações Unidas reconheceram que a questão palestina continua a estar no cerne do problema do Médio Oriente, a mais grave ameaça à paz com o qual as Nações Unidas devem enfrentar. O reconhecimento está se espalhando na opinião do mundo que o povo palestino deve ser assegurado o seu direito inalienável inerente de auto-determinação nacional para a paz seja restabelecida.
    Em 1947, as Nações Unidas aceitou a responsabilidade de encontrar uma solução justa para a questão palestina, e ainda luta com esta tarefa hoje. Décadas de luta e político-argumentos jurídicos toldaram as questões básicas e obscureceram as origens ea evolução do problema da Palestina, que este estudo tenta esclarecer.

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo