Na resistência ao apartheid .. / Awad Abdel fattah Reviewed by Momizat on .      Se encerrou a Semana de  resistência ao  apartheid. Mas o apartheid ainda  existe, e se envolve com mais barricadas dentro dos muros do gueto e abando      Se encerrou a Semana de  resistência ao  apartheid. Mas o apartheid ainda  existe, e se envolve com mais barricadas dentro dos muros do gueto e abando Rating: 0

Na resistência ao apartheid .. / Awad Abdel fattah

 

 

 Se encerrou a Semana de  resistência ao  apartheid. Mas o apartheid ainda  existe, e se envolve com mais barricadas dentro dos muros do gueto e abandona gradualmente seu próprio dicionário de democracia  , como se estivesse numa corrida contra o tempo, porque ele percebe seu destino final. Assim, a campanha crescente contra ele  não para, mas está ganhando força a cada dia.A Sociedade civil em vários países ao redor do mundo, especialmente os EUA, Europa e militantes palestinos implantados nesses países a eles cai a responsabilidade de desmascarar o sistema sionista e não somente a sua ocupação das terras de 67 .  

 

Antes ,essa vergonha era sinônimo da África do Sul. e Hoje e depois do desmoronamento do regime do apartheid naquele país Africano, em 1994, sob os golpes de todas as formas de resistência, os olhos e as mentes  começam a apontar a um outro regime de apartheid mais feroz que faz a sua  subsistência  das ruínas de um povo que foi submetido aos piores  formas de discriminação racial  que e a expulsão em 1948.isso  no mesmo ano que foi instuitualizado o regime de discriminação na Africa do sul .ele e o regime de discriminação racial colonialista  israelense.

 

Após o fracasso do plano de Oslo bantostonico que os líderes do movimento de libertação na África do Sul haviam  recusado o seu modelo    miserável, e depois de reveladas a intenções do regime sionista que continua os  assassinatos, saques e a promoção da segregação e a discriminação através de práticas e novas legislaçãoes , apareceu novamente  a pergunta sobre a legitimidade do regime sionista como um todo, depois de   todos as atenções serem  voltadas para às terras  ocupadas em 67. Até alguns anos atrás, os jogadores internacionais e regionais  ignoraram  a existência de 20% do povo palestino que vive em Israel, ignoraram ou passaram por cima do fato que  a relação do estado judeu com eles revela toda a verdade do regime sionista, e que essa relação é a chave para entender a essência da entidade israelense. Portanto, esta parte do nosso povo tem um papel-chave  na batalha contra o sionismo que  deve ser desenvolvido como parte  coordenante do movimento  da luta global contra o sionismo.

 

As leis da Organização das Nações Unidas afirmam que o racismo não é  legítimo e que o regime do apartheid e  ilegítimo e deshumano e imoral e o mundo  se uniu para a sua queda na África do Sul. ., Israel como um Estado judeu e  colonialista é um estado racista. Como o mundo se uniu para acabar com o sistema de apartheid lá  enquanto ainda os  seus  aliados contiuam  a fornecer a Israel  a tecnologia da morte.

 

Sabe-se que a relação entre os dois sistemas era solida em todas as áreas … Leiam o que um amigo de Israel Henrik Veruord presidente da  África do Sul, disse em 1961: os sionistas levaram  Israel dos árabes onde  viviam há mil anos. E eu concordo com eles (ou seja, a ocupação da Palestina). Israel, como África do Sul, é um estado de apartheid.

Caiu o regime do apartheid na África do Sul, e sobre as  suas  ruínas se fundou  um sistema democrático baseado em valores universais, os valores da justiça e da  igualdade entre os seres humanos. Realizou uma reconciliação histórica e este país ou esta experiência se transformou em um exemplo  para  o mundo livre e para  os palestinos em sua luta pela liberdade e democracia. Sabemos que a comunidade de  la sofre de  uma lacuna de classes sociais   porque as políticas  neo liberais utilizados  produziram elites  globalizadas  entre brancos e negros que governam o pais, e é esperado que a próxima batalha seja a  de justica e libertação  social  , e a atividade  civil de oposição  a este sistema esta em curso  . O modelo econômico liberal produziu  uma elite social corrupta  que dissemina  a divisão social  , pobreza e a violência. isso é também o que aconteceu na Autoridade Palestina e os seus serviços de  elite em volta, uma elite que aprofundou a subordinação econômica e politica , , e afastou   povo palestino da sua caminhada na libertacao nacional e de seus valores  humanos e nacionais . Ela agora vive em um dilema  que faz o nosso povo tanto sofrer

 

Mas vamos voltar ao modelo democrático após a queda do apartheid na África do Sul e da reconciliação histórica entre negros e brancos. Você se lembra quem  derramou as  lágrimas pela queda deste regime odioso, que levou a um sistema democrático? Você sabe quem  treme de medo da democracia  seja alcançáda ou imposta  a ele . desmantelando  seu  bando , extinguindo  seus valores e termina com a  espada ensanguentada  ? Israel é o único, que teme  o  desmonte  de seu  gueto construído na Palestina e cercou com cortinas de ferro  e muros. Democracia em seu sentido real é um pesadelo para os líderes de Israel.

 

Têm medo de perder privilégios extraídos dos  proprietários nativos da patiria. De perda de status de mandatários e de poder

 

À luz deste fracasso oficial  palestino e  o desgaste e a  corrosão do projeto nacional  palestino , e sob a continua declinação  para o extremismo e racismo em Israel,a nível de  governo e sociedade, e a continuação  do  apoio dos  EUA imperialista a  Israel, o  movimento mundial  de boicote (Em seu núcleo o  movimento de boicote Nacional Palestina) desempenha um papel importante na remoção completa  da máscara do apartheid – colonial israelense.

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo