Israelenses rejeitam exército por abusos contra palestinos Reviewed by Momizat on . 12 de setembro de 2014 • 09h39 Israelenses rejeitam exército por abusos contra palestinos Esta pode ser uma das manifestações mais importantes contra ações isra 12 de setembro de 2014 • 09h39 Israelenses rejeitam exército por abusos contra palestinos Esta pode ser uma das manifestações mais importantes contra ações isra Rating: 0

Israelenses rejeitam exército por abusos contra palestinos

12 de setembro de 2014 • 09h39

Israelenses rejeitam exército por abusos contra palestinos

Esta pode ser uma das manifestações mais importantes contra ações israelenses dos últimos anos

Alguns dos reservistas que negaram servir ao exército israelense por abusos contra palestinos

Foto: Ynet News / Reprodução

Quarenta e três reservistas israelenses de uma unidade de elite da inteligência militar anunciaram sua rejeição a servir novamente e acusaram o exército de abusos contra os palestinos, em uma carta publicada nesta sexta-feira na imprensa.

Se for confirmada a autenticidade da carta, publicada no jornal de grande tiragem Yediot Aharonot, será uma das expressões de objeção de consciência mais importantes em Israel em muito tempo.

Os 43 signatários serviram na unidade 8200, o serviço de inteligência militar mais apreciado, explica o jornal. Esta unidade é especializada na ciberdefesa e frequentemente é comparada à NSA (National Security Agency) americana.

Como reservistas, estes 43 homens e mulheres podem ser convocados às fileiras a qualquer momento.

Os soldados e oficiais, cujos nomes não foram revelados, disseram que não queriam “continuar servindo a este sistema, que prejudica os direitos de milhares de pessoas”.

SAIBA MAIS

Human Rights Watch acusa Israel de crimes de guerra em Gaza

Imagens de drone mostram destruição em Gaza por conflitos

Turismo de Israel pede indenização por conflitos em Gaza

Negociações sobre trégua em Gaza serão retomadas este mês

“Pedimos a todos os soldados que servem na unidade ou que vão servir, e a todos os cidadãos israelenses, que levantem suas vozes contra estes abusos e trabalhem para colocar fim a eles”, afirma a carta, segundo o jornal.

A carta foi escrita inicialmente antes da guerra na Faixa de Gaza, travada entre julho e agosto. No entanto, o texto final também se refere à falta de discurso público sobre o grande número de civis palestinos mortos durante o conflito, 70% das mais de 2.100 vítimas fatais, segundo a ONU.

Os 43 reservistas afirmam que não atenderão ao chamado às fileiras anual do exército, podendo ser detidos e obrigados a depor perante um tribunal militar.

Todos os homens israelenses cumprem três anos de serviço militar ao fim da escola, e as mulheres dois anos.

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo