Israel: comunidade internacional censura maior ocupação de terras na Cisjordânia em 30 anos Patrícia Dichtchekenian | São Paulo – 02/09/2014 – 06h00 Reviewed by Momizat on . Israel: comunidade internacional censura maior ocupação de terras na Cisjordânia em 30 anos Patrícia Dichtchekenian | São Paulo - 02/09/2014 - 06h00 Estados Uni Israel: comunidade internacional censura maior ocupação de terras na Cisjordânia em 30 anos Patrícia Dichtchekenian | São Paulo - 02/09/2014 - 06h00 Estados Uni Rating: 0

Israel: comunidade internacional censura maior ocupação de terras na Cisjordânia em 30 anos Patrícia Dichtchekenian | São Paulo – 02/09/2014 – 06h00

Israel: comunidade internacional censura maior ocupação de terras na Cisjordânia em 30 anos

Estados Unidos, Egito, França, Reino Unido criticam decisão; organizações como ONU e Anistia Internacional também desaprovam medida após cessar-fogo

A comunidade internacional condenou a decisão anunciada no domingo (31/08) pelo governo israelense de ocupar 400 hectares pertencentes a cinco aldeias palestinas nos arredores de Belém, na Cisjordânia. Correspondente a aproximadamente 400 campos de futebol, a área representa a maior apropriação israelense de terras da Cisjordânia em 30 anos.

Um dos principais aliados de Tel Aviv, os Estados Unidos classificaram o anúncio como “contraprodutivo” e exortou Israel a anular a decisão. “É contraprodutivo em termos da meta estabelecida pelo Israel de uma solução de dois Estados negociada com os palestinos. Pedimos ao governo israelense para reverter essa decisão”, declarou o Departamento de Estado norte-americano.

Efe

Desde início do mandato de Netanyahu, em 2009, número de casas construídas na Cisjordânia aumentou a cerca de 1.500 a 2.500

Responsável por mediar o cessar-fogo na Faixa de Gaza, o Egito também criticou a atitude israelense. Segundo o Ministério de Relações Exteriores egípcio, “não é um passo positivo, contradiz a legislação internacional e tem consequências negativas para o processo de paz”.

Na Europa, os principais Estados a se manifestar foram a França e o Reino Unido. “As partes devem se mobilizar com urgência para retornar o caminho de paz assim que possível”, afirmou o governo francês em comunicado.

Leia também: Em cinco de semanas de conflito, aprovação de Netanyahu caiu de 82% para 38% em Israel

“Esta é uma decisão particularmente insensata, que chega em um momento no qual a prioridade deve ser um cessar-fogo em Gaza, e irá causar sério estrago na posição de Israel na comunidade internacional”, disse o secretário das Relações Exteriores britânico, Philip Hammond, em nota citada pela Reuters.

Para ANP (Autoridade Nacional Palestina) tal medida “só vai deteriorar ainda mais a situação”, segundo Nabil Abou Roudeina, porta-voz do presidente Mahmoud Abbas, relembrando que a comunidade internacional considera ilegal as colônias israelenses em territórios ocupados. “Esses crimes destroem toda perspectiva de solução de dois Estados”, completa o negociador palestino Saëb Erakat.

Patrícia Dichtchekenian/ Opera Mundi

Vista do muro no interior do território palestino, nas proximidades do ‘check point’  da cidade de Belém

ONU considera ações violentas do Estado Islâmico como crimes contra humanidade

Mujica adia transferência de presos de Guantánamo por ser ‘politicamente perigoso’

Organizações internacionais

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, declarou estar alarmado com a decisão das autoridades israelenses e pede que Tel Aviv atenda aos apelos da comunidade internacional para que se abstenha de realizar assentamentos nos territórios palestinos. “A apreensão de uma grande faixa de terra apresenta o risco de abrir caminho para uma maior atividade de assentamentos que – como as Nações Unidas reiterou em várias ocasiões – é ilegal sob a lei internacional e vai totalmente contra a busca de uma solução de dois Estados”, declarou Ban em comunicado.

Outra organização que rechaçou a atitude foi a Anistia Internacional, que pede que Israel “cesse de uma vez por todas de confiscar terras na Cisjordânia”, segundo o Le Monde. Para a entidade, esse anúncio representa a “principal tomada de terras palestinas ocupadas desde 1980”.

Leia também: Israel e Hamas anunciam acordo para cessar-fogo permanente em Gaza

A tomada dos terrenos segue a decisão do gabinete do governo israelense como mais uma resposta ao sequestro e assassinato de três judeus adolescentes, supostamente por militantes do Hamas na região, em junho.

Crítica interna

“É uma punição coletiva dos israelenses que afasta ainda mais uma perspectiva de paz entre dois Estados para dois povos”, critica ao Le Monde Hagit Ofran, uma das responsáveis pela organização israelense Paz Agora, que monitora esses assentamentos.

Desde o início do mandato do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, em 2009, o número de habitações ou casas construídas na Cisjordânia aumentou de 1.500 e 1.800 a 2.000 ou 2.500, aponta a ONG israelense.

No domingo, a própria ministra da Justiça de Israel, Tzipi Livni, criticou a decisão em uma rádio local, afirmando que o ‘timing’ do anúncio foi impróprio. “Qualquer coisa que possa desviar a atenção em relação a nós e despertar críticas contra nós fere as mesmas coisas que estamos tentando alcançar”, apontou, segundo o Haaretz.

Efe

Região do assentamento de Gvaot, próxima a Belém na Cisjordânia: decisão é ilegal, segundo o direito internacional

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo