Instinto de sobrevivência ou paranóia judaica? Reviewed by Momizat on . No final de 2002 Yonatan Shapira, um ex-piloto de helicóptero Black Hawk de Israel e alguns de seus colegas pilotos publicado Carta dos Pilotos em que afirmou: No final de 2002 Yonatan Shapira, um ex-piloto de helicóptero Black Hawk de Israel e alguns de seus colegas pilotos publicado Carta dos Pilotos em que afirmou: Rating: 0

Instinto de sobrevivência ou paranóia judaica?

No final de 2002 Yonatan Shapira, um ex-piloto de helicóptero Black Hawk de Israel e alguns de seus colegas pilotos publicado Carta dos Pilotos em que afirmou:

Nós, pilotos veteranos e pilotos ativos em conjunto, que serviram e ainda servem o Estado de Israel, durante longas semanas a cada ano, objeto executar ordens ilegais e imorais de ataques que o Estado de Israel realiza nos territórios. Nós, que fomos criados para amar o Estado de Israel e de contribuir para o empreendimento sionista, se recusam a tomar parte nos ataques da força aérea nas concentrações de população civil. Nós, para quem as IDF [Forças de Defesa de Israel] e da Força Aérea são partes inseparáveis ​​de nós, recusar-se a continuar e ferir civis inocentes. Essas ações são ilegais e imorais e são um resultado direto da ocupação em curso, que corrompe a sociedade israelense como um todo. A continuação da ocupação proporciona um golpe mortal para a segurança do Estado de Israel e a sua força moral.

Esta carta veio após uma série de ataques contra o enclave densamente povoada de Gaza. Para Shapira e seus companheiros pilotos a gota d’água veio depois de uma missão na qual “uma bomba de uma tonelada foi abandonada (o equivalente a cem bombas suicidas) em uma casa no bairro al-Deredg em Gaza, um dos bairros mais populosos em Gaza, na verdade, em todo o mundo “. Shapira descreveu como ele e outros pilotos não conseguia dormir à noite, após e durante essas operações. Isso ocorreu apesar de um briefing por Dan Halutz Chefe da Força Aérea, no momento que disse: “… tudo o que ocorre antes que a missão se justifica de acordo com a minha bússola moral …” e suas palavras tranquilizadoras: “dormir bem esta noite. .. você executou essa missão perfeitamente. ” Há dois dias, no dia 11 de janeiro de Shapira participou de um programa na rádio israelense no qual ele foi confrontado com um tenente-coronel da Força Aérea israelense, piloto Ye’ohar Gal. Aqui está o que Gal tinha a dizer:

Acho que devemos ir para lá com mais força. Dresden, Dresden. Devastar uma cidade. No final do dia, somos informados de que a guerra mudou. Não é mais tanques rugindo à frente, já não enfrentar exércitos rank-and-file regulares. Mísseis são alvo centros populacionais. Ele não começou hoje, nem ontem. Foi o estado de coisas há mais de uma década. Os países árabes já perceberam que é muito difícil, praticamente impossível de derrotar-nos no campo de batalha, para que eles mudaram de guerra. A batalha agora é travada entre a velha senhora em Jabaliya ea velha senhora em Sderot ou Ashdod. Todo o povo, desde a velha senhora para baixo para a criança, são um exército. Um exército que combate. Eu chamo-os [os palestinos] um povo – apesar de eu não vê-los como tal.A gente está lutando outro povo. Os civis estão lutando civis. Eu digo a vocês que nós, como filhos de sobreviventes do Holocausto, deve saber que esta é a essência de nossas vidas, vindo de lá: ninguém atira pedra contra nós. Eu não estou falando de mísseis. Ninguém vai atirar uma pedra para nós por serem judeus. E Yonatan [Shapira] é uma das pessoas que perderam o seu instinto de sobrevivência. Tão simples como isso. Ele não entende que uma guerra de culturas está sendo travada aqui entre os gostos dele e os gostos de mim mesmo. Ele está lutando pela paz. Eu quero paz também, como Yonatan … Eu quero que os árabes de Gaza a fugir para o Egito. Isso é o que eu quero. Eu quero destruir a cidade. . Não necessariamente as pessoas nele deixar bem claro: ninguém vai atirar em nós. Não é uma bala de Gilo de Jerusalém, e não um míssil a partir de Gaza para Sderot.Eu não vou concordar com uma única bala disparada contra nós pelo inimigo. Assim que o inimigo abre fogo em mim o meu instinto de sobrevivência me diz para destruir o inimigo. Para derrotar o inimigo. Se não derrotar o Hamas – a nossa força de dissuasão vis-à-vis os países árabes, que também aspiram a destruir-nos de uma maneira ou de outra – Ai de nós se não manter essa diferença entre nós e eles. [1]

Muitas vezes tenho escrito sobre trauma judaica e seus efeitos sobre a perspectiva israelense sobre a vida em geral, e sobre a forma como trata os palestinos em particular. Tenho a impressão de que as pessoas não são tão interessado em minha opinião psicológica sobre o conflito.A grande mídia parecem preferir análises puramente políticos ou econômicos, e isso é o que eu li na maioria dos jornais e ver em canais de televisão, como a BBC ou a ABC australiana ou SBS. Mas os sentimentos de Gal, que sei que são amplamente ecoado na mídia israelense e público – Eu escuto rádio israelense, ler os jornais e blogs, e correspondem com os israelenses – provar mais uma vez que não estamos lidando apenas com a política aqui, mas com psicologia e, mais especificamente, a psicologia do trauma judaica. Este trauma pré-data o Holocausto e vai para a direita de volta à narrativa judaica primitiva sobre a identidade judaica, de volta para as histórias do Antigo Testamento. Gal diz que Shapira perdeu seu “instinto de sobrevivência”, mas o que ele chama de instinto de sobrevivência que eu chamo induzida por trauma paranóia judaica. Ambos Shapira e eu tenho tanto perdemos nossa paranóia judaica ao lado de um número crescente de ativistas da paz judeus dentro e fora de Israel. E graças a Deus que temos, porque isso significa que temos curado de trauma judaica.Como resultado, são mais saudáveis ​​as pessoas mais pacíficas, que não vêem o mundo em termos exclusivamente contraditório. Nós já não pensar em tudo em termos de saber se “é bom para os judeus ou não,” não acreditamos que o propósito de nossa vida é a preservação do povo judeu, e podemos trabalhar como iguais ao lado de pessoas não-judeus para promover a paz. Nós já não gastar todo momento de se preocupar com o anti-semitismo, como fomos ensinados a fazer.Sabemos que existe como fazer outras formas de racismo, mas não permitir que ele a definir quem somos, o que fazemos, ou o que pensamos e sentimos sobre nós mesmos e sobre os outros. Ser livre do trauma judeu significa ser livre do medo do anti-semitismo. judeus sionistas acho que ficou louco porque eu não tenho medo do anti-semitismo e se recusam a se concentrar nele, mas acho que ter ido sã.Uma vez eu recebi um email de um israelense que me disse: “Você é ingênua e estúpida, mas independentemente disso, quando finalmente chegou para você, você vai correr para nós e ainda vai aceitá-lo de braços abertos”, ao que eu respondi “Obrigado, mas eu tive o meu tempo em Israel e eu prefiro me arriscar em outro lugar.” Tentando convencê-lo de que ninguém está vindo para me pegar, era inútil. Estas não são apenas as divagações de um homem. Isto ecoa os sentimentos da maioria dos judeus israelenses e judeus sionistas mais. Mesmo pessoas muito educadas sentir assim. Porque nós foram vítimas de anti-semitismo nunca pode relaxar e deve estar sempre vigilante no caso de um novo inimigo dos judeus virá para nos destruir. Viver com trauma é uma coisa terrível e isso leva a precisamente o tipo de pontos de vista e sentimentos expressos por Gal, eo tipo de crimes cometidos por Israel no momento. Trauma que é um produto do passado dói pode fazer você acreditar que todo mundo odeia você e quer destruí-lo – agora, sempre, não apenas no passado. Algumas pessoas respondem a um trauma, tornando-se agressivo e assustador, para se certificar de que isso não aconteça com eles novamente. Assim como Gal diz: “Ninguém vai atirar uma pedra para nós por serem judeus.” Esta é uma reação humana a vítima e como psicoterapeuta posso compreendê-lo.Qualquer um pode entender o desejo de não se machucar de novo, mas a pergunta é: a que custo para si mesmo e para os outros?Juntamente com a determinação feroz para não se machucar novamente vem a percepção de si como justo e “melhor do que”. Além disso, o ex-vítima irá realizar sobrevivência como o valor mais alto, acima de tudo. Estou triste em dizer que a identidade do povo judeu é inteiramente baseado em sobrevivência. Pelo menos três festas judaicas importantes estão baseados em uma história de uma vitória sangrenta sobre um inimigo que procurou destruir os judeus: Passover, Purim e Hanukah. Eu parei de celebrar estes festivais anos atrás, porque eu acho a sua ofensiva significado real. Se a vida é apenas uma questão de sobrevivência não deixa muita energia para qualquer outra coisa. Pelo que sabemos sobre o cérebro humano, sabemos que viver com a crença de que se está sob ameaça existencial constante pode levar a visão de túnel, com o pensamento de curto prazo, a falta de empatia, ao estresse constante. E isso leva a uma mentalidade isolacionista e uma incapacidade de ver a humanidade dos outros. Este é Israel, em 2009.Note que Gal diz: “por serem judeus.” E este é um outro problema com trauma. Isso leva à cegueira. Os israelenses não aceitam que o seu problema com os palestinos foi causado pela ocupação. Eles realmente acreditam que é porque eles são judeus que os palestinos estão com raiva e atacá-los. A maioria dos israelenses não sabem sequer que Israel cometeu limpeza étnica em 1948. A maioria dos israelenses estão convencidos de que o núcleo que Israel é o “mocinho” nessa história que tenha feito nada de errado, o pequeno David fraco em pé na frente de um anti-semita gigante Golias. Para muitos israelenses os palestinos não são os mesmos que os nazistas, mas são os nazistas, os poderosos, não-humano, sem rosto, assassinos psicopatas single-minded que estavam determinados a exterminar os judeus por serem judeus.Quando os israelenses matam palestinos estão matando Faraó e seu exército (Páscoa), Hamman e seus 10 filhos (Purim) eo exército de ocupação grega (Hanukah) uma e outra vez. Os palestinos são os destinatários de 2.000 anos de raiva não resolvida, que tem mais a ver com o passado do que no presente. Na terapia nós chamamos isso de “raiva equivocada.” Mas eu acho que é mais confortável para os israelenses a culpa ira palestina sobre o anti-semitismo do que assumir a responsabilidade por sua história real. As implicações de ver o conflito de dentro da lente de trauma judaica são muito graves. Podemos realmente negociar com isto? Podemos explicar aos israelenses que a sua perspectiva sobre a vida e sobre o conflito está gravemente falho?Se tentássemos eles vão ouvir, e não os palestinos têm tempo para esperar até que eles fazem? Sei, por experiência pessoal de ter nascido e criado em Israel, em uma família judia, que essa psicologia é muito poderoso e muito profundamente enraizado na própria identidade. Para desistir dele significa a questionar tudo o que representa, e isso é doloroso. Foi muito doloroso para mim. Mas o custo de não fazê-lo, estamos vendo agora na Faixa de Gaza e os palestinos sofreram durante muito tempo geralmente longe dos olhos atentos do mundo.Isso não ajuda que Israel tem um amigo poderoso em os EUA, um país cuja mentalidade coletiva é muito semelhante ao de Israel. Enquanto os EUA permite que a cegueira de Israel ao vetar qualquer decisão contra ela no Conselho de Segurança das Nações Unidas, através do apoio a Israel financeiramente e militarmente, não haverá razão para os líderes israelenses a questionar a sua percepção da realidade. Israel precisa de amigos de verdade que com “amor duro” pode salvá-lo de si mesmo, que pode ajudá-la a ver o que é incapaz de ver. Entregando-trauma e cegueira de Israel está custando as vidas eo bem-estar dos palestinos, e é indesculpável. Gal acha que Shapira não tem instinto de sobrevivência, mas ele está errado. Shapira e os outros estão fazendo o que estão fazendo, porque eles sabem que a sobrevivência de Israel é ameaçada por seus próprios atos, a sua própria psicologia, não pelos palestinos ou qualquer outra pessoa. Eles não estão preocupados que Israel será atacado ou que os israelenses “será lançado no mar.” Eles estão preocupados com o custo social, emocional e espiritual de uma sociedade que se tornou um dos piores criminosos de limpeza étnica na história moderna. Israel está desmoronando por dentro, perdendo a sua humanidade, a sua dignidade ea sua identidade, e eles sabem disso.Gideon Levy no israelense Haaretz repórter recentemente perguntou: “Se os israelenses tinham tanta certeza da justeza de sua causa, razão pela qual a intolerância violenta eles exibem para todo mundo que tenta fazer com que um caso diferente? ” Abigail Abarbanel (http://www.avigailabarbanel.me.uk/ ) nasceu e cresceu em Israel.Ela se mudou para a Austrália idade 27 e tem sido um ativista pelos direitos palestinos desde 2001. Ela é uma psicoterapeuta / conselheiro em consultório particular em Canberra, Austrália.Notas finais [1] Transcrição por Eyal Niv, tradução por Tal Haran.

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo