ESTADO DA PALESTINA Reviewed by Momizat on .   ESTADO DA PALESTINA Lema: “PALESTINA LIVRE, A LUTA SEGUE, LIBERDADE PARA O POVO PALESTINO” (“Palestina libre, la lucha sigue, libertad para el pueblo pal   ESTADO DA PALESTINA Lema: “PALESTINA LIVRE, A LUTA SEGUE, LIBERDADE PARA O POVO PALESTINO” (“Palestina libre, la lucha sigue, libertad para el pueblo pal Rating: 0

ESTADO DA PALESTINA

 

ESTADO DA PALESTINA

Bandeira Nacional do Estado da Palestina

Lema: “PALESTINA LIVRE, A LUTA SEGUE, LIBERDADE PARA O POVO PALESTINO”
(“Palestina libre, la lucha sigue, libertad para el pueblo palestino”)

Palestina – Palestine – Palästina
Nome oficial: Daulet Falastin.
Capital: Jerusalém (não reconhecida pela ONU) que significa cidade da paz, vem da palavra Sião (Monte Sion); chamada também de cidadela de Davi… (Israel)
Moeda (numismática): Libra Palestina? Gol? Piastra/Millimes…
ReligiãoCristianismoIslamismoJudaísmo
Localização: oeste da Ásia.
Características: montanhas contínuas, que se estendem desde Nabulus (N) até Hebron, Vale do Jordão e mar Morto (S).
Área: 11.573 km² (de acordo com o plano de partilha estabelecido pela ONU em 1947). 27.000Km², aproximadamente. Israel exists on 75% of its area. The West Bank territories are 5,970 sq.km. 327sq.km. (the Dead Sea). Gaza’s area is 365 sq.km on the southern shores of Palestine.
Cidades principais: Beit, Beit Sahur, Belém, El Bureij, Gaza, Hebron, Jabalia (Jabaliya), Jaffa, Jala, Jenin, Jericó, Khan Yunis, Nablus, Qalqylia, Rafah, Ramallah, Tulkarm (localidades).
Porto: Gaza Port (under construction).
Aeroporto: Gaza International Airport (not yet operational).

Os mais de 7 milhões de palestinos estão em sua maioria dispersos pelos países árabes e pelo resto do mundo. No extremo leste do mar Mediterrâneo, eles dispõem do embrião de um Estado nacional, embutido em Israel e ainda sem lugar na ONU…

O território é árido e possui uma grande depressão na região do mar Morto. Pelos acordos de paz com Israel obteve-se relativa autonomia em grande parte da Faixa de Gaza e em parte da Cisjordânia, regiões onde residem 2,7 milhões de palestinos.

A maioria deles trabalha em Israel, mas a comunidade empenha-se em construir estruturas econômicas mais sólidas. A Autoridade Palestina, tem poder de polícia e administra a região; Israel mantém o controle da defesa e das relações exteriores.


História

Os ancestrais palestinos chegam à costa do mar Mediterrâneo antes de 3500 a.C. Ao longo dos séculos sofrem a dominação de egípcios, assírios, caldeus, persas, romanos, hebreus e também dos cruzados cristãos. Vivem 400 anos sob o jugo do Império Turco-Otomano.

Em 1917, a Inglaterra, que domina a região, aprova a Declaração Balfour, medida em apoio à emigração de judeus para a Palestina (a mesma região onde ficava a Israel bíblica), desde que respeitem os direitos dos árabes ali residentes.

Nas décadas seguintes ocorre a imigração de dezenas de milhares de judeus, em sua maioria vindos da Europa, dentro do ideal conhecido como sionismo. Vai-se criando uma situação de conflito entre os árabes palestinos e os judeus.

Em 1947, a ONU aprova a partilha da Palestina entre árabes e judeus, mas os países árabes rejeitam a divisão. Em 1948, quando a Inglaterra se retira da Palestina, os judeus proclamam seu Estado nacional. Os países árabes entram imediatamente em guerra com o recém-nascidoEstado de Israel e são derrotados. Em conseqüência, centenas de milhares de palestinos emigram para os países árabes vizinhos – na chamada diáspora palestina – passam a viver em acampamentos precários.

Em 1950, a Jordânia conquista o território à margem oeste do rio Jordão, conhecido como Cisjordânia, incluindo o setor oriental de Jerusalém, que se torna uma cidade dividida, com o setor ocidental ocupado pelos judeus. Em 1958, os palestinos iniciam a luta armada.

Um ano mais tarde, Yasser Arafat, um engenheiro com forte liderança, funda a organização guerrilheira Al Fatah, que estabelece seu primeiro quartel-general em Argel, em 1962. Nos anos seguintes, a guerrilha da Al Fatah lança ataques contra Israel. Em 1964, com o apoio dos países árabes, é fundada em Jerusalém a Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

Israel volta a vencer os países árabes em 1967, na Guerra dos Seis Dias, ocupando a Faixa de Gaza, a Cisjordânia e o setor oriental de Jerusalém. Em 1970, a OLP é expulsa de suas bases na Jordânia e muda-se para o Líbano e para a Síria.

A guerrilha intensifica suas ações contra Israel e, em 1972, guerrilheiros palestinos do comando Setembro Negro matam 11 atletas israelenses que participam das Olimpíadas de Munique. Em 1974, os países árabes reconhecem a OLP como única representante legítima do povo palestino…

volta ao topo

Massacre de Deir Yassin

Em 09/04/1948, duas unidades de guerrilha israelita, Lehi e Irgun, atacaram a vila árabe de Deir Yassin, a pouca distância de Jerusalém. Quando a cidade estava finalmente nas mãos dos israelitas, muitos moradores foram mortos. Com saldo de 107 a 120 mortes confirmadas, entre elas apenas 5 foram de israelitas. Embora as unidades de guerrilha nunca admitissem o massacre, várias testemunhas tanto árabes quanto israelitas condenaram o ato…

O selo abaixo foi emitido pela União das Repúblicas Árabes (UAR EGITO – Scott: 664) e está catalogado pelo Scott nos selos do Egito(também existe um selo parecido de número: N125). Além desses dois, outros bem similares foram emitidos pela Jordânia (499), Arábia Saudita (373/376), Iraque (372/373) e, talvez por outros países muçulmanos…

volta ao topo

Selos foram emitidos pela Palestina entre 1918 a 1948.

Quando a Força Expedicionária Egípcia-Britânica ocupou o sul da Palestina (Jaffa caiu em 16/11/1917 e Jerusalém foi ocupada em 09/12/1917) eles perceberam que a população civil tinha uma necessidade urgente de se comunicar. Os britânicos permitiram que os civis usassem os serviços dos correios militares. Eles autorizaram a impressão de selos E.E.F. (Força Expedicionária Egípcia).

Dois valores foram impressos: um selo com valor facial de uma Piastra para correspondências ao exterior (abaixo, lado esquerdo da tela), e um selo com valor facial de 5 Milliemes sobretaxado no mesmo desenho para cartão postal e correspondência interna, como podemos ver no fragmento de envelope (lado direito) com selo obliterado em 1920, na cidade de Jerusalém.

O desenho mostra as iniciais E.E.F., postagem paga, e uma Piastra (antiga moeda egípcia) em inglês e em árabe. Os selos foram impressos em papel sem goma por uma agência egípcia. Ele foi emitido em 10/02/1918 (Scott: 1, SG: 1), com valor facial de 1 Piastra (azul escuro). Pouco tempo depois, aparecem como os primeiros selos daJordânia

Peças interessantes foram circuladas pelo Fundo Australiano dos Soldados no Exterior da Igreja da Inglaterra, enviadas do Oriente Médio para casa, em Rutherglen, Victoria – Austrália.

O carimbo é difícil de se identificar, porém o censor Nº 3228, parece que foi o Major Archibald McLaurin (mencionado em despachos em 1917), o qual serviu no 8º Batalhão Australiano de Cavalaria “Light Horse”.

Algumas escritas no carimbo estão claras o bastante que, um conhecedor do assunto, seria capaz de determinar mais a respeito do envio dessa agência postal…

O selo foi emitido em 1927 e é o primeiro impresso com o nome PALESTINE (Scott: 63, SG: 90), com valor facial de 2 Mills (azul).


FILATELIA

População: 2,7 milhões (1997); composição: árabes palestinos 90%, árabes 10% (1996). Nacionalidade: palestina. Idioma: árabe (oficial).

► “Girafa” em diferentes línguas na Palestina – zarafah (árabe – país membro da LEA) – giraffe (inglês)


1924

Cartão Postal com um selo “cinderela” de 1924, com girafa e palmeira, inscrito “North Anoc”, com valor facial de “1 Gol”. Nos carimbos, ambos de 1924, se lê no primeiro: “Ir Hadash Niniweh” (Ir Hadash – nova cidade e Niniveh – uma marca particular); no carimbo que cancela o selo, “Virikoso South – Giantsland” (Sul de Virikoso – Ilha Gigante).

NORTH ANOC: Part of Cooland and West Refaim – European cinderella used on private postcards that did not go through the mail…

Ao lado, ampliado, outro selo (vintage fantasy label) para “North Anoc”, com valor facial de “5 Gol”…

  • International Society of Worldwide Stamp Collectors – Bogus Issues (http://www.iswsc.org/iswsc_identbogus.html)
  • List of Labels Purporting to be Stamps (http://www.askphil.org/ap_salm04b.htm)

Você pode me explicar sobre isso?

volta ao topo

Econtrei na Internet a imagem abaixo descrita: selo do Egito para uso na Palestina – parece que tem numeração NE1 do catálogo Scott… Só que não sei o ano… Penso que o Egito ocupou a Palestina entre 1948 a 1965…?

Selos são emitidos pela Autoridade Palestina (Palestinian Authority) desde 1994.

15/08/1994 - FDC com a primeira série de 4 valores emitida pela Autoridade Palestina.

Em um artigo publicado no The Jerusalem Post, em 28/03/1997, David Newman explica o estatus do serviço postal de responsabilidade da autoridade palestina. Entre outras coisas ele escreveu:

Selos são, no momento, somente reconhecidos pela Autoridade Palestina. Portanto, facilmente circulam entre Gaza à Ramallah, ou entre Hebron à Jenin, por exemplo. Entretanto, enviar uma correspondência entre West Bank para Israel, ou para qualquer outro ponto do planeta, é complicado….

No passado, moradores do território recorriam ao serviço postal de Israel e usavam os seus selos. Hoje, a autoridade postal de Israel não opera nas áreas autônomas. Palestinos que desejam enviar cartas para o exterior tem que encontrar um modo de trazer suas cartas para Israel e, de lá, enviá-las…

 

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo