CANTOS PARA OS HOMENS

  20/04/2007 Mahmud Darwish Venham companheiros de correntes e tristezas Caminhemos para a mais bela margem Nós não nos submeteremos Só podemos perder O ataúde Mais alto Nossas gargantas mais alto nossas esperanças mais alto nossas canções fabricaremos com nossa potência crucifixos do passado e do presente uma escada para os amanhãs... e nossos inimigos nos insultam “Hala... selvagens... árabes” sim! Á ...

Ler mais

CONTOS CUBANOS

CONTOS CUBANOS 20/04/2007 Mahmud Darwish I Não tenho tempo agora De contar as histórias dos mártires Não tenho tempo Os lábios das feridas em curso Me sangram... devoram meus últimos instantes Mas tu não chores Meu sangue é um fio de azeite Que alimenta a lâmpada da liberdade Não chores tu Enquanto cuba esteja em pé II Mãe As lágrimas sobre mártires vivos São uma grande vergonha Ora pela terra verde Que sej ...

Ler mais

ENAMORADO DA PALESTINA

ENAMORADO DA PALESTINA 20/04/2007 Mahmud Darwish São teus olhos um espinho no coração, Espinho dilacerador, mas amado; Protejo-o da tempestade E cravo-o profundamente, através da noite e através da dor. A ferida ilumina milhares de estrelas, Transforma meu presente em futuro, Mais caro que meu ser, E esqueço como nossos olhos se encontraram Naquela vez em que fomos como g6emeos, atrás do portão. Tuas palvra ...

Ler mais

ESTRANGEIRO NUMA CIDADE MUITO LONGE

ESTRANGEIRO NUMA CIDADE MUITO LONGE 20/04/2007 Mahmud Darwish Quando eu era pequeno E bonito Eu tinha a rosa como lar E ao mares como poço A rosa virou ferida E os mares, sede - Estou muito muddo? - Não mude nada Quando voltaremos, como o vento Ao nosso lar Olhe bem para mim Verá que a rosa virou palmeira Verá que o poço virou suor Você achará que estou igual Como quando Era pequeno E bonito ...

Ler mais

GLÓRIA ÀQUILO QUE NÃO CHEGOU

GLÓRIA ÀQUILO QUE NÃO CHEGOU 20/04/2007 Mahmud Darwish (FRAGMENTOS) ========= Aqui está o casamento ininterrupto Numa praça ilimitada Numa noite imensa É o casamento palestino O amante só chega à sua amada Morto ou errante Frente a meus olhos O sangue deles odeia o dia seguinte Meu corpo é uma rosa na morte deles Eu murchei no dia anterior às balas Eu floresci no dia seguinte ao meu assassinato Juntei toda ...

Ler mais

Imposível

Imposível 20/04/2007 Mahmud Darwish Morro de esperança De paixão eu morro Morro enforcado Degolado morro Mas não direi nunca Nosso amor está acabado e morto Não Nosso amor não morre ...

Ler mais

O PASSAGEIRO

Meu país está longe A terra que abandonei Ressuscitou dentro de mim E você, você está longe Eu sinto você Como um clarão que joga rosas No meu corpo Como a necessidade de cantar Em todos os portos E... eu amo você Mas Eu não quero canções apressadas Nem beijos furtivos Você gosta disso Como os marujos deseperados Atraés das flores colocadas nas mesas Através de seus dedos distraídos Vejo o clarão, que leva ...

Ler mais

Mahmud Darwish

  No próximo dia 9 de Agosto cumprir-se-á um ano sobre a morte de Mahmud Darwish, o grande poeta palestino. Fosse o nosso mundo um pouco mais sensível e inteligente, mais atento à grandeza quase sublime de algumas das vidas que nele se geram, e o seu nome seria hoje tão conhecido e admirado como o foi, em vida, por exemplo, o de Pablo Neruda. Enraizados na vida, nos sofrimentos e nas imortais esperança ...

Ler mais

A poesia palestina de resistência: O cantar dos que não se rendem

  Apesar da forte repressão à arte popular — “A democracia israelense não suporta que os palestinos cantem”, disse uma vez o poeta Tawfic Zayyad — a poesia daquele povo árabe não é “marginal”. Como disse o peruano Julio Carmona, “marginal é a poesia que a estética dominante pontifica ou institucionaliza; ao se tomar o povo como pedra de toque (e sempre o povo tem a última palavra em tudo) a única poesi ...

Ler mais

Contos Cubanos

  Não tenho tempo agora De contar as histórias dos mártires Não tenho tempo Os lábios das feridas em curso Me sangram... devoram meus últimos instantes Mas tu não chores Meu sangue é um fio de azeite Que alimenta a lâmpada da liberdade Não chores tu Enquanto cuba esteja em pé II Mãe As lágrimas sobre mártires vivos São uma grande vergonha Ora pela terra verde Que seja pródiga em pães para seus filhos R ...

Ler mais
Voltar para o topo