Boicote Academico Reviewed by Momizat on . Boicote Academico Deve ser exercida uma pressão do Exterior sobre Israel para as suas ações nos territórios ocupados e quais são as responsabilidades dos acadêm Boicote Academico Deve ser exercida uma pressão do Exterior sobre Israel para as suas ações nos territórios ocupados e quais são as responsabilidades dos acadêm Rating: 0

Boicote Academico

Boicote Academico

Deve ser exercida uma pressão do Exterior sobre Israel para as suas ações nos territórios ocupados e quais são as responsabilidades dos acadêmicos de trabalhar lá? Ilan Pappe discute a eficácia do boicote acadêmico contra Israel.
Questões como boicotes requerem algumas observações introdutórias que estão à beira do óbvio, mas ainda assim vale a pena repetir. Eles podem resumir-se como um reconhecimento do mal-estar que acompanham, e devem acompanhar, qualquer cidadão que iria apelar ao boicote ao mundo exterior o seu próprio país. Isto significa que qualquer um convite para essa ação drástica, deveria ser pensado tudo de novo e de novo e não deve ser tomada facilmente uma ação.
Dito isto, gostaria de não apresentar uma posição ambivalente sobre a questão do boicote, depois de anos em que me duvidar da sabedoria de um tal movimento. Tenho estado envolvido em ativismo político desde a década de 1970 e em todos estes anos eu acreditava na capacidade dentro de uma coligação de paz para conduzir o país para a reconciliação, sem a necessidade de recorrer a pressões externas.
O boicote como forma de recomendar um acto estratégico primeiro tem que passar por definir claramente o objectivo de qualquer pressão externa sobre o estado. O objectivo global é uma mudança política não a identidade do estado. Embora eu sonho de pôr termo à natureza opressiva do Estado de Israel e torná-lo, juntamente com a Palestina, um Estado laico democrático – não creio que este pode, ou deve ser, conseguida através dos meios de boicote. Da mesma maneira que eu não iria sugerir, apesar de o meu apoio esmagador ao direito dos palestinos a retornar, a empregar para boicotar afetando uma mudança na política israelita sobre a questão dos refugiados.
O dispositivo de pressão externa deveriam ser utilizados para mudar uma política de destruição, expulsão e morte. A ocupação israelense da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, não tendo nunca opressivo e desumano, mas cada vez desde outubro de 2000, e especialmente desde abril de 2002, tornou-se um horror história de abuso e indiferença. Cada dia traz consigo a demolição de casas palestinianas, o confisco de terras, pobreza, desemprego, a desnutrição e morte. A tendência é para piorar a entrar, com um senso de um governo israelense de que sente que tem uma ‘luz verde’ a partir de os E.U. a fazer tudo o que desejar nos territórios ocupados (incluindo a reocupação da Faixa de Gaza). Esta licença livre atmosfera tem legitimado o discurso da transferência, em Israel e poderia anunciar uma tomada de outro palestino Nakbah sob a forma de uma limpeza étnica maciça ou parcial, em Israel e na Palestina. Israel também está desenvolvendo genocida tendências como a matança diária dos palestinos (incluindo muitas crianças) tornou-se normal e aceitou uma faceta da vida para a maioria dos judeus israelenses. Existe uma necessidade urgente para impedir que este sofrimento e evitar futuros planos de Israel de infligir mais maciças e irreversíveis prejuízos ao povo palestiniano e da sua sociedade.
Este é o objectivo de qualquer dos direitos humanos e ativistas interessados na paz, e empenhado em, causa palestiniana. Existem três opções de pôr termo a essa brutal capítulo. Um deles é uma luta armada. Esta tem sido adoptada como a agenda exclusiva por muitos palestinos, e tem sido um tema para o debate interno dentro da sociedade palestiniana no que diz respeito à sua produtividade. Não é difícil perceber por que razão humanista e universal a partir de um ponto de vista, bombas suicidas ou as operações militares não produziram um fim à ocupação e correm o risco de não trazê-lo no futuro. Esta acção levou a mais vítimas inocentes sejam arrastados para o conflito, daí entrenching rejectionist posições no seio da sociedade israelita, como pode ser visto a partir da eleição e reeleição de Sharon em 2001 e 2003. Agora, na nova era pós-Sharon, o seu partido Kadima emobdies esta posição inflexível da posição consensual na sociedade judaica. O equilíbrio militar também pôs em dúvida as chances de sucesso palestinos em um futuro próximo.
A segunda opção é mudar a partir de dentro da sociedade do ocupante. Existe naturalmente uma impressionante despertar os adormecidas de paz israelo acampamento. Mas que, todavia, é ainda uma história de poucos milhares de ativistas dividido entre dezenas de ONGs e com muito poucos partidos no parlamento representando sua agenda. Em muitos aspectos, esta linha de acção, apesar da sua vitalidade e da necessidade, é ainda mais desesperado do que a acção militar.
Isto leva-nos à terceira opção, que, em qualquer caso, não é sugerido na vastidão dos outros dois, mas na conclusão. Ela não oferece morte e da violência como meio de acabar com o mecanismo de destruição e Israel não se baseia no equilíbrio interno e do poder local. É uma chamada a partir do interior para o exterior para exercer pressão económica e cultural sobre o Estado judaico, de modo a trazer casa a mensagem de que existe uma etiqueta de preço acompanha a continuação da ocupação. Isto significa que, como muitos judeus israelenses que possível deve perceber que o seu estado se tornou um pária, e assim continuará, enquanto a ocupação continuar, ou mais concretamente até que Israel retire a setembro de 2000 linhas.
Não estou me iludir sobre as formidáveis obstáculos no caminho de uma tal estratégia. Embora exista uma chance de recrutar as sociedades civis europeias e dos governos, há muito pouca esperança de alcançar os mesmos resultados nos os E.U.. No entanto, esta linha de acção não foi tentada antes e fiquei impressionado quando em abril de 2000, Noam Chomsky disse que uma conferência em Boston, nos anos 1970, não obstante o seu e outros “esforço que foi difícil convencer a OLP para começar uma campanha no PR E.U., uma vez que Arafat tenha pensado que a União Soviética do lado palestiniano foi o suficiente. Acho que foi um erro e, em seguida, é essencial começar a trabalhar em os E.U. hoje. Tal como no caso do boicote sobre a África do Sul, existe a necessidade de iniciar-se no terreno e ONG esferas de ação com a esperança de acabar afetando a política escalões mais elevados. Mas, mesmo com sucesso parcial, há muito a ser adquirida nos gerando uma tendência de ostracizing o funcionário israelense presença no estrangeiro. Isto pode capacitar o interior oposição à ocupação, convencendo hesitando vozes e talvez mais convincente para se juntar aos soldados “e reservistas recusa dos movimentos.
Isto leva-me à questão de uma forma mais específica sobre o boicote israelita academia. Acho que até agora fica claro a partir deste artigo, que tal uma discreta ação tem valor apenas se ela faz parte de um convite à apresentação de uma campanha global para a pressões externas. Dentro de um tal apelo, não faz sentido, por um activista como eu, de apelar a sanções ou a pressão sobre as empresas, fábricas, etc festivais culturais, embora exigente imunidade pares e para a minha própria esfera de actividade – a academia. Isso é desonesto. Deve-se reconhecer que eles próprios ativistas de boicote são susceptíveis de sofrer se a campanha que eles chamam de êxito. Na verdade, faz mais sentido tentar e afectar as relações económicas, políticas, culturais e académicos elites sobre o caminho a uma mudança política. As realidades sócio-econômicas são tais que, se você afectam a vida dos ricos e influentes, você obtém resultados, não se adicionar miséria para aqueles que já estão desfavorecidas e marginalizadas.
Como exatamente deve acadêmicos em todo o mundo mostram o seu descontentamento e desânimo, tanto a nível da política israelita, bem como a falta de coragem moral na academia israelita face à continuação atrocidades, é uma questão que deveria ser direcionado para aqueles que estão dispostos a assumir a mover. Nós, Israel deve primeiro apoio moral a nossa voz para tal ato. Este é o significado dos nomes adicionando um’s, como eu fiz, para uma lista de professores universitários europeus em que pede à CE para reconsiderar o estatuto preferencial concedido aos israelitas o meio académico. Naturalmente, é paradoxal de pedir a alguém para fazer um boicote dele. Um telefonema de dentro de Israel é uma mera afirmação de que aos nossos olhos como os judeus israelenses se trata de um movimento legítimo e ético, mesmo se isso pode ter impacto nos como membros da academia israelense.
Para o êxito de tal iniciativa, eu acho que é importante para distintos entre ação individual e institucional. Eu também acho que há muita razão em uma ação que analisa de forma gradual todas as suas fases como a campanha foi bem sucedida. Sua finalidade básica não deve ser esquecido: para trazer o mais rápido possível para que muitos israelitas quanto possível a mensagem de que a comunidade internacional não iria tolerar a ocupação (lembrando que, se não fosse Israel, ou outro representante americano, o Estado judeu poderia ter arriscaram ações militares contra ela, se todos os outros meios para forçá-lo a pôr fim à ocupação teria falhado).
Concluo pela abertura ao voltarem para algo banal frases. Sim, é difícil apelar para um tal movimento. Não admira muito poucos israelenses acadêmicos abertamente apoiado tal acção. Mas para nós dentro de Israel, apesar das acusações dirigidas contra nós como traidores e, pior ainda, esta é a única forma eficaz de manifestar a nossa total rejeição da diária crueldades impostas pelo nosso governo sobre os palestinianos. Esta é uma maneira muito clara e convincente, de tentar colocar toda a mensagem de que estão a ser crimes contra a humanidade cometidos em nosso nome, e gostaríamos de juntar forças com ninguém que estivesse disposto a pôr um fim a essa situação, sem violência ou terror, mas sim através da pressão e persuasão.

Retira-pimenta, maio 2006

 

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo