08) Cronologia 1996 Reviewed by Momizat on .   11 de janeiro – a Autoridade Palestina e a Unidade Eleitoral da União Européia criticam Israel por dificultar a campanha  eleitoral palestina em Jerusalé   11 de janeiro – a Autoridade Palestina e a Unidade Eleitoral da União Européia criticam Israel por dificultar a campanha  eleitoral palestina em Jerusalé Rating: 0

08) Cronologia 1996

 

11 de janeiro – a Autoridade Palestina e a Unidade Eleitoral da União Européia criticam Israel por dificultar a campanha  eleitoral palestina em Jerusalém Oriental.

12 de janeiro – A polícia israelense impede o ex-negociador da OLP Hanan Ashrawi de entrar em Jerusalém para fazer campanha, 4 palestinos são detidos em Beit Safafa por pregar pôsteres eleitorais. A polícia de fronteira israelense pôs fim a um rally pelo candidato  da Fatah, ministro da Economia da Autoridade Palestina Ahmad Qurai, em Jerusalém Oriental.

14 de janeiro – o Likud espalha pôsteres em toda Jerusalém Oriental ameaçando rescindir as identidades de todos os palestinos que votarem nas eleições palestinos de 20 de janeiro.

17 de janeiro – O Knesset (parlamento) rejeita projeto de lei que propõe expandir a jurisdição de Jerusalém para incluir Betar, Givat Zeev , Gosh Etzion e Maale Adumim. O projeto foi Patrocinado pelo Likud e respaldado por 42 parlamentares dos partidos Likud, Moledet, Partido religioso Nacional, Shas, Tsomet e Judaísmo Torá Unido. Os 48  votos contrários foram dos seguintes partidos: Partido Trabalhista, Meretz e partidos árabes.

18 de janeiro – o coordenador israelense dos territórios ocupados Shahor garante  aos palestinos de Jerusalém que eles não perderão suas identidades se votarem nas eleições palestinas de 20 de janeiro.

20 de janeiro – realizam-se as eleições para o conselho legislativo palestino, 676 candidatos disputam o conselho, dois para a presidência, quatro Palestinos disputam o eleitorado de Jerusalém: todos são eleitos.

5 de abril – soldados israelenses proíbem uma mulher palestina em trabalho de parto de cruzar o posto de checagem em Jerusalém e chegar à maternidade, a criança morre por falta de assistência, no mínimo oito palestinos morreram desde o fechamento iniciado em 25 de fevereiro por falta de assistência médica

22 de maio – O primeiro-ministro Peres aprova a construção de 450 casas na colônia Tsamarot na Cisjordânia; libera recursos para projeto sem ouvir o comitê ministerial especial sobre colônias, como manda a lei; faz promessa verbal ao conselho de colonos de Oranit de que Oranit será anexada à municipiladade de Jerusalém.

24 de maio – Na Cidade Velha de Jerusalém centenas de religiosos judeus atacam palestinos e destróem propriedades palestinas , a polícia israelense diz que tumulto  aconteceu sem provocação; não sabe quem o motivou

5 de junho – o vice prefeito de Jerusalém, Shamul Meir, pede ao primeiro-ministro eleito Netanyahu que aprove um plano para derrubar 2 mil casas palestinas em Jerusalém Oriental e construir 50 mil casas para judeus exclusivamente.

14 de julho – Líders dos colonos judeus anunciam planos para dobrar ou triplicar seu numero, construindo mais 8 ou 10 novas colônias e expandir ass já existentes.

16 de julho –O ministério israelense da Construção diz que a construção começara dentro das fronteiras da colônia judia de Har Homa em Jerusalém Oriental dentro de mais alguns dias 6000 casas estão planejadas.

24 de julho –  A Alta Corte Israelense aprova uma resolução permitindo  que grupos pequenos dos “Fiéis do Monte do Templo” entram em no complexo da Mesquita al-Aqsa no dia 25 de julho para realizar um “ritos religiosos judaicos”  pelo dia de jejum, a ANP, a Jordânia e a Síria protestam, dezenas de jovens judeus imediatamente tentam invadir a mesquita mas sãao bloqueados  pela polícia israelense.

25 de julho – A policia israelense escolta centenas de “Fiéis   do Monte do Templo” aos pares ao complexo da Mesquita al-Aqsa para orações; eles  detem12 membros do “Hay Veqayam que tentam entrar no local.

12 de agosto – perto de Jerusalém, Israel demole duas  casas de palestinos.

20 de agosto – Israel demole outras casas palestinas em subúrbios de Jerusalém.

26 de agosto – O exercito israelense desmantela um acampamento dee beduínos perto de Jerusalém  Oriental. Os beduínos dizem que foram expulsos para dar lugar à expansão de colônias vizinhança.

 27 de agosto – A polícia israelense ergue guindastes sobre as muros da Cidade Velha em Jerusalém Oriental e demole prédios palestinos que seriam destinados a uma clinica para deficientes e uma casa para os idosos, obras financiadas com verba de $30 milhões de Canadá e Suécia.

29 de agosto – O governo israelense aprova a construção de 2000 novas casas em colônias situadas na Cisjordânia, ao redor de Jerusalém Oriental. O vice prefeito de Jerusalém Shamuel  Meir diz que o governo emitiu ordens de demolição de 70 casas palestinas em Jerusalém.

19 de setembro – Colonos judeus ocupam uma casa palestina em Jerusalém Oriental.

21 de setembro – Funcionários israelenses notam  que um projeto para construção de 180 salas de aula para crianças palestinas em Jerusalém Oriental até o fim de 1997 só resultou na construção de 10 salas de aula.

24 de setembro – Sob forte proteção polícial, Israel empreende de surpresa, pela madrugada, uma escavação para completar um longo túnel arqueológico que atravessa o complexo de mesquita al-Aqsa. O projeto de 12 anos foi concluído somente por ordem expressa do primeiro-ministro Netanyahu, que quis passar uma mensagem de que Israel é o “Único Soberano” em Jerusalém, a ANP denuncia a obra e pede uma greve geral no dia seguinte, durante o dia , os palestinos se chocam com a policia dentro da mesquita.

27 de setembro –  o primeiro-ministro Nentanyahu desloca 6000 políciais por toda Israel, 4000 em Jerusalém Oriental, depois das preces da manahã na Mesquita al-Aqsa , vلrios jovens atiram pedras contra tropas israelenses e a polícia que cercam o local, o exercito israelense invade o complexo atirando contra os palestinos, matando 3 ferindo 50, conflitos irrompem em Rafah, Tulkarem, Balata, Erez, Jenin e Ramallah, os palestinos de território ocupado em 1948 observam uma greve geral em apoio a seus compatriotas, um total de 52 palestinos e 14 israelenses morrem nos conflitos durante os últimos 3 dias desde que o túnel  foi aberto.

28 de setembro – O Conselho de Segurança da UNO aprova uma resolução a respeito da situação nos território ocupados e pede uma reversão de todos os atos que resultaram no agravamento da situação, i. é, a abertura do túnel.

2 de outubro – Em Jerusalém, 50,000 israelenses marcham em apoio a Natenyahu.

7 de novembro – Em Jerusalém, o primeiro-ministro Netanyahu se encontra  com lideranças dos colonos e lhes diz que eles “serão recompensados” por qualquer alteração em Hebron; promete acompanhar pessoalmente a expansão das colônias da Cisjordânia e de Gaza; garante 3500 novas casas nas colônias da Cisjordânia em torno de Jerusalém.

  19 de novembro – O prefeito israelense de Jerusalém, Ehud Olmert, apresenta ao ministro israelense de Habitação Meir Porush um plano para a construção de 2200 casas entre a junção de Pisgat Zeev e al zaim, com o propósito de ligar o Monte Francês em Jerusalém Oriental com a Colônia israelense Maale Adumim.

1 de dezembro – no Cairo, a Liga Árabe convoca uma sessão de emergência sobre as atividade coloniais de Israel, adverte Israel de que a expansão das colônias colocará em perigo o processo de paz e diz que as atuais colônias deveriam ser desmanteladas.

18 de dezembro – O primeiro-ministro britânico John Mayor adverte Israel para não inflamar as tensão expandindo as colônias.

19 de dezembro – O presidente Yasser Arafat tem uma ardência privada com o papa Jô Paulo II no Vaticano.

19 de dezembro – Um grupo de Igrejas cristã, organização não governamentais e indivíduos formando a coalização de Igrejas para a Paz no Oriente Médio publica uma nota no “NewYork Times” pedindo por uma Jerusalém partilhada que assegure os direitos de todos as reigiões na cidade.

Deixe um comentário

Você deve ser logged em para postar um comentário.

Voltar para o topo